quarta-feira, 12 de setembro de 2007

machuca

é incrível quando descobrimos o corpo (calma,rapaziada..o depoimento aqui não é sexual!)de forma tão palpável,tangível e,o que é muito estranho,mais perecível.
você anda na rua,um dia normal..pode ser atropelado e morrer.nossa,que cru!mas é verdade...isso que assusta..ser tão direto assim,sem escalas(falando nisso,fico imaginando se vou pro inferno sem escalas..mas enfim...).
quando eu desloquei meu braço não quis acreditar que ficaria por um mês sem meu braço esquerdo..no dia em que apresentei uma peça,ainda.no meio da peça..puff!eu desloco meu braço,acabo a peça e corro pro hospital;isto não é pra mostrar que eu sou "profissionalpacaralho"porque acabei a peça..e sim como é num instante que tudo muda porque eu,por exemplo,tinha combinado de sair,ir pra festa...e tinha aula à tarde no dia do deslocamento(aliás,essa é uma boa palavra pra se usar...até metaforicamente).perdi a aula,perdi a festa...ganhei o quê?experiência?de fato,pois nunca havia deslocado nem quebrado nada..mas pude ver que temos um corpo.a dor me fez perceber meu braço,entende?e esse braço machucado ainda tem que fazer fisioterapia..EU tenho que fazer fisioterapia.meu corpo faz.
e numa cena de teatro,por exemplo,temos que trabalhar com o corpo que TEMOS,trabalhar sem ser na cntp,nas condições ideais.como disse meu professor,temos que trabalhar com o concreto,com a bosta que somos (e fazemos) e não com a bosta imaginária.
tudo mudou naquele dia do machucado.pelo menos por um mês.e meu amigo quebrou os dois braços ontem!os dois!tava tudo tão "normal"...não é pra fazer drama,tornar esse blog um programa da márcia goldschimit nem fazer alarde pra pessoa nem sair de casa senão machuca..pelo contrário!se machucamos mesmo,estamos vivos-até que o tamanho do machucado prove o contrário.

6 comentários:

subby disse...

ahhhh, eu nunca quebrei o braço, nem nada.. ainda bem..

e o teatro é realmente ótimo pra nos ajudar a descobrir o nosso corpo, não necessariamente qnd quebramos o braço no meio de uma apresentação.. mas qnd eu fazia teatro.. eu adorava uns exercícios de expressão corporal, e embora eu tenha feito por pouco tempo, admiro muito.
_______
melhoras pro seu amigo.. se quebrar um braço já eh horrível, imagine os dois. "/

beijos.

Letícia disse...

é por essas e outras que eu sempre digo que a dor é boa!

Claudia Lis disse...

Oi Laura,

Ah é verdade! A gente não se dá conta da importância de cada parte do corpo até que ela venha a fazer falta, por menor que seja. Também aprendi essa lição, ao quebrar o meu pé, há dois anos atrás. Fiquei com a perna toda engessada durante um mês. Praticamente não dava para andar, pois o gesso pesava bastante e fazia a perna inchar. Terrível, mas felizmente tudo acabou bem e eu pude andar naqueles carrinhos elétricos de supermercado, fora que tive muita mordomia, hahahah...

Enfim, boa recuperação para você (o meu pé até hoje fica um pouquinho dolorido, em certas posições) e melhoras para seu amigo.

Beijos

thai disse...

você resumiu seu texto todo nessas ótimas palavras:
estamos vivos até que o tamanho do machucado prove o contrário..


seja ele externo ou interno.

beijo!

Dianety disse...

Aii.. Nem me fale de sentir o corpo! Esses dias fui num parque de diversões e estou com os braços, o pescoço e a cabeça(leia-se: os OSSOS da minha cabeça.. do maxilar, etc.) doendo devido a um brinquedo cuja única proteção era uma barra metálica.. =/.. Mas engraçado que eu pensei a mesma coisa.. Que geralmente a gente não tem noção do nosso próprio corpo até que aconteça uma coisa dessas.. Hahaha.. Meio trágico, meio cômico..

Beijos moça!

=*****

Rodrigo Sérvulo disse...

Ótimo blog!

Sei que era pra ser uma história trágica, mas nõ pôde deixar de sr cômica! Ainda mais quando se lê aquela da pinga na seqüência!

Enfim... O que você disse é mesmo verdade. Não percebemos nosso maior instrumento até quebra-lo..

Beijos e abraços amelísticos.