terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

macunaímas

e esse paístropicalabençoadopordeusebonitopornaturezaquetemcarnavalemfevereiro?
o brasil tem uma coisa que não é bem apatia nem um conformismo;um pouco mais complexo que isso... nós aceitamos e banalizamos a violência,a corrupção...veja bem,renan calheiros tá firme e forte lá,garotada!
nunca tivemos uma revolução,nunca tivemos uma guerra que de fato atingisse o país...pensemos:mesmo nas guerras mundiais,o que o brasil fez?aproveitou pra vender mercadorias,mandou uns soldados pra ajudar..mas pra quê?podia-se sentar,acender um cigarro e conversar distanciadamente sobre a guerra que estava ocorrendo.
nunca tivemos um grande choque,um grande baque,uma coisa realmente visceral.o que mais se aproximou dessa experiência foi a ditadura,mas obviamente difere dos outros países no que tange ao "depois"...em outros países,houve revoluções (digo grandes revoluções) e afins...mas e aqui?só mudamos o regime,ninguém mais tocou na ferida,os torturadores não foram punidos.um exemplo mundial.
o brasil é meio que uma ilha em meio ao mundo (tô meio obcecada com a idéia de ilha,mas tentem relevar);mesmo na consciência de país subdesenvolvido...o que temos de latinoamericanos?adoraria poder me identificar mais com a américa latina (uma das minhas paixões)mas o que acontece é que mesmo a nossa língua é diferente (convenhamos..é diferente até do português de portugal..na prática temos uma língua só nossa),não somos patriotas(conversando com o meu amigo,-aliás,jay,dedico este post a você,querido-a gente chegou à conclusão de que é foda ser patriota com a bandeira brega e sem significado legal e aquele hino parnasiano...ridículos!hahaha),não temos nem terremotos,parecemos coniventes com tudo que acontece de ruim aqui.ai,que preguiça!...
brasileiro que não desiste nunca...ha!e o que unifica a gente é o carnaval e o futebol...depois a gente reclama dos gringos só frisarem isso quando falam sobre o brasil.

3 comentários:

Rodrigo Sérvulo disse...

Eu concordo em grande parte no que você diz, e antes de comentar, tenho dois adendos: Vc sabia que a bandeira do Brasil foi eleita a quarta mais feia do mundo? E que a melodia do hino brasileiro é na verdade uma ópera italiana antiga? O.O Pois é...

Achei engraçado que vc citou justamente esses dois. Enfim...

Eu realmente percebo que é muito difícil achar um brasileiro patriota. Eu creio existir níveis de patriotismo (assim, como de tudo), a mairia dos brasileiros está naquele nível em que os outros não podem dizer mal, mas ele mesmo pode. Poucos são os reais patriotas, e o que se torna cada vez mais comum (e irritante) são aquelas pessoas que comentam em filas e outras situações: Só aqui no Brasil mesmo!

Eu tenho um ódio tão grande desse povo. Como se na Europa e nos EUA não houvessem filas, ou mal-atendimento, ou qualquer outra coisa. Odeio esse discursinho anti-brasileiro.

Eu morei fora, Miami e Sarajevo (História master longa, mas enfim), e mew, isso me fez muito mais orgulhoso de ser brasileiro. O ensino em geral daqui é melhor que o americano, e as crianças e adolescentes brasileiros costumam ser MILHARES de vezes mais espertas, ágeis e inteligentes do que as americanas que só fazem o que lhes é mandado. Tornando-se em grande parte adultos bitolados por conhecer o mundo só na faculdade. O que falta aqui é acesso e incentivo à educação.

Sinto muito por estar fazendo uma redação aqui, mas ainda quero falar mais. =P kkkk

Concordo master com o negócio da ilha. Nós não temos furacões, terremotos (mew, aquele de MG/Bahía foi bizarro e acontece 1 vez em 1 milhão), vulcões, ou nada disso. Não participamos ativamente em quase nenhuma guerra. Ou pelo menos, nenhuma que alertasse a população brasileira como um todo. Revoluções? Tivemos, mas e aí? Alguém se lembra? Se sim, só como fatos históricos, a ideologia por trás delas, quase apagadas.

Sabe qual é o grande problema? O famoso jeitinho brasileiro. O ser humano, em geral, se adapta muito fácil às coisas. O brasileiro, então, IXI! Mas antigamente não era tanto assim... Ok, mas acontece que hoje em dia a gente vive numa era Placebo, onde sentir é ruim, estresse é doença, qualquer tristezazinha vira depressão e precisa de remédios, e a gente aprende a tolerar tudo. Afinal, tudo passa. É... esqueci de falar que a gente vive na era do "tudo passa" tbm. Vivemos muito rapidamente, e nada tem valor por muito tempo, se algo nos aborrece, logo procuramos ficar melhor fazendo outra coisa... Vai dizer que você nunca se sentiu na era Placebo, ou do "tudo passa"?

Junta o jeitinho com os efeitos da sociedade atual e tcharam! Mas isso acontece nos melhores países, ou vc acha que todos os americanos pensam na guerra? No máximo de duas em duas semanas e se esquecem disso em 3 segundos. Só se lembram que estão insatisfeitos com o Bush por causa de alguma coisa, muitas vezes nem lembram que essa coisa era a própria guerra. Os que sofrem são as famílias dos soldados...

Ok, é isso. =P Beijos! e brigado pelos comentários no meu blog! \o/ Mundo cinza rules.

Rodrigo Sérvulo disse...

Foi mal pela redação de novo. =P

thai disse...

geeeeeeeeeeeeente, conseguisse expressar claramente todo o meu pensamento!
quanto à A.L., também gostaria de ter mais em comum com ela..na verdade, se a gente tivesse um pouquinho de nada do povo latino, seria suficiente já.
acho que isso bastaria pra perceberem que o país não é só festa, bunda e bola.
ahahah

beeeijo