domingo, 27 de janeiro de 2008

sossegue

resolvi postar uma poesia do carlos drummond...justo eu que não gostava muito de drummond...mas as coisas mudam...ou não.

NÃO SE MATE
Carlos, sossegue, o amor
é isso que você está vendo:
hoje beija, amanhã não beija,
depois de amanhã é domingo
e segunda-feira ninguém sabe o que será.
Inútil você resistir
ou mesmo suicidar-se.
Não se mate, oh não se mate,
reserve-se todo para
as bodas que ninguém sabe
quando virão,
se é que virão.

O amor, Carlos, você telúrico,
a noite passou em você,
e os recalques se sublimando,
lá dentro um barulho inefável,
rezas,
vitrolas,
santos que se persignam,
anúncios do melhor sabão,
barulho que ninguém sabe
de quê,
pra quê.

Entretanto você caminha
melancólico e vertical.
Você é a palmeira, você é o grito
que ninguém ouviu no teatro
e as luzes todas se apagam.
O amor no escuro, não, no claro,
é sempre triste, meu filho, Carlos,
mas não diga nada a ninguém, ninguém sabe nem saberá.

4 comentários:

Sandrinha disse...

Porque este é apenas um mundo louco, onde nem mesmo há compreensões sobre suicidas, sobre o sentimento que eles possuem.

Porque este é apenas um mundo que tem faces que não compartilham. Da tristeza / alegria e todo o resto.

Beijos.

Cáritas disse...

Tsc.. tsc...
Não falei que um dia vc iria começar a gostar do Drummond ?
Gostei de ver isso postado aqui.
Beijos
:)

Miss Butterfly εїз disse...

Esse poema ... rs-*

muito melancólico .. rs-* ainda bem que ele diz "não se mate não se mate" ... pq realmente se matar não vale apena ... rs-*


Seja feliz sempreeeeeeeee !!

Dianety disse...

Olha que coisa.. Eu já gostava de Drummond, e depois de ler essa poesia eu gostei mais um pouco =D

Hahaha.. Adorei o seu comentário no meu blog.. Homem de fato é realmente é uma desgraça.. Hahaha.. Mas é um mal necessário (há controvérsias) x.O

Enfim.